UDJAT Ensemble

Sofia Sousa ClaroFounder, Composer, Singer;

Hugo ClaroFounder, Composer, Portuguese Guitar, Mandolin, Vocals;

accompained by Baltazar MolinaPercussion, Sound Design;

and Special Guest Artist Pedro JóiaClassical Guitar.

UDJAT is a world music ensemble created around imagery, creating soundscapes, inspired by Creation Myths,  Ancient History and also History of Religions. It  involves itself in a singular melodic dimension, seeking the exaltation of timelessness. It moves in the fields of Mythology, the Symbolic, the Natural World. UDJAT is devoid of language but full of emotional language.

“His music, where the voice cohabits with the Portuguese Guitar and percussion, evokes ancestral sounds with a contemporary approach.” Paulo Mendes Pinto, Historian of Ancient Religions.

UDJAT Ensemble released their first album “Udjat” in 2016, and the second “Ameretat” in the year 2017, with the special participation of the percussionist Hugo Tristão. In 2021 they recorded their third album “Writings of an Ancient King” with Jorge Cunha Machado (Percussions) and featured in one of the themes, special guest Pedro Jóia (Classic Guitar). They also worked with Sérgio Figueira (Classic Guitar).

UDJAT Ensemble performed in stages such as, C.C. Olga Cadaval in Sintra, Portugal, the Iberian Festival Awards2017, in Barcelona, Spain, Festival Sete Sóis Sete Luas, Islamic Festival of Mértola, MED Festival, Terra(s) de Sefarad, Boom Festival, among others.

UDJAT Ensemble com Pedro Jóia Festival MED 2023
UDJAT Ensemble feat. Pedro Jóia, Festival MED 2023

 

UDJAT Ensemble

Sofia Sousa ClaroFundadora, Composição, Voz

Hugo ClaroFundador, Composição, Guitarra Portuguesa, Voz

acompanhados por Baltazar MolinaPercussão, Sonoplastia

Artista Especial Convidado Pedro JóiaGuitarra Clássica

____________________________

 

UDJAT é um ensemble de world music que nasce de imaginários, criando paisagens sonoras inspiradas nos Mitos de Criação, na História Antiga e na História das Religiões. Envolve-se numa dimensão melodica singular, procurando a exaltação da intemporalidade. Move-se no campo da mitologia, do simbólico, do mundo natural. UDJAT é desprovido de língua, mas completo na sua linguagem emocional.

“A sua música, onde a voz coabita com a guitarra portuguesa e a percussão, evoca sonoridades ancestrais com uma abordagem contemporânea.” Paulo Mendes Pinto, Historiador de Religiões Antigas.

ARTISTS

Sofia Sousa Claro

Sofia Sousa Claro, from Lisbon, a lyrical and world music experimental singer, explores melodies where she finds her own language, inspired on the Myths of Creation, ancient history and ancient religions. Her academic studies in History of Religions is a strong inspiration in her language as a singer. UDJAT is also a result of that connection with the past, and were music takes its place as something sacred.

Hugo Claro

Hugo Claro, from Oeiras. Multi-instrumentalist and composer, with a background in Visual Arts and Poetry, embraced the Portuguese guitar developing a unique approach, also inspired in the classical guitar, Flamenco, Berber, Arabic and Medieval Music. A set of influences which are a consequence of his route as a guitarist. UDJAT also influenced the art exhibition “Myths of the Mesopotamia” by Hugo Claro.

Acompanhados por

Baltazar Molina

Baltazar Molina, guest artist, sound explorer and musician, whose motivation is art as energetic, sentimental and humane communication, beyond labels or definitions. He is widely recognized for the  unique way he fuses the most distinct musical techniques and languages, in a continuous evolution of his  personal and artistic expression. In his musical language and applied techniques, it’s obvious to recognize the influences of Middle Eastern music, Rock, Experimental and Devotional Music and Free Improvisation, as well as several movement and dance forms such as Oriental, Contemporary, European Traditional and Contact-Improvisation. Mostly self-taught, Baltazar has study periods with Masters who mark him deeply: Shokry Mohamed, Atef Mitkal Kenawy, Zohar Fresco, Pedram Khavarzamini and Ross Daly.

Special Guest Artist

Pedro Jóia

Pedro Jóia started playing guitar at the age of seven at the Academia dos Amadores de Música, in Lisbon, and later continuing at the National Conservatory. At the same time, he began to study the flamenco guitar. In 2008 he received the Carlos Paredes Award with his album ” À Espera de Armandinho”. He regularly composes for theater and cinema.

 

ARTISTAS

Sofia Sousa Claro, natural de Lisboa. Cantora lírica e de world music experimental, explora melodias onde encontra a sua própria linguagem, inspirada nos Mitos de Criação, história antiga e religiões antigas. A sua formação em Ciência das Religiões é uma forte inspiração na sua linguagem como Cantora. UDJAT é também fruto dessa ligação com o passado, valorizando a Música como algo sagrado.

Hugo Claro, natural de Oeiras. Músico multi-instrumentista e compositor, com um percurso nas Artes Plásticas (discípulo de Artur Bual) e Poesia. UDJAT impulsionou a Exposição de Pintura “Mythos da Mesopotâmia” de Hugo Claro, tendo estado patente em vários centros culturais. Abraçou a Guitarra Portuguesa desenvolvendo uma abordagem autodidata, inspirada também na Guitarra Clássica e Flamenca. A sonoridade do Al-Andaluz é uma forte influência, assim como a música Sefardita e Berber. Um conjunto de influências que são uma consequência do seu percurso como Guitarrista. Os seus instrumentos: Guitarra Portuguesa e Bandolim.

Artistas Convidados e Participações especiais

Baltazar Molina, artista, facilitador, explorador sonoro e músico, cuja motivação é a arte como comunicação energética, sentimental, humana; além rótulos ou definições. É reconhecido pela forma singular como funde as mais distintas técnicas e linguagens musicais, numa busca constante e aprimorar da expressão pessoal e artística. Na sua linguagem musical e técnicas utilizadas, são evidentes as influências da música do Médio-Oriente, do Rock, da Música Experimental e Devocional e da Livre Improvisação, bem como de diversas formas de dança e movimento – Oriental, Contemporaneo, Tradicional Europeia e Contacto-Improvisação. Maioritariamente auto-didacta,  Baltazar tem períodos de estudo com Mestres que o marcam profundamente: Shokry Mohamed, Atef Mitkal Kenawy, Zohar Fresco, Pedram Khavarzamini e Ross Daly.

Pedro Jóia, natural da Bélgica, guitarrista, compositor e diretor musical. Começou a tocar guitarra aos sete anos de idade na Academia dos Amadores de Música, em Lisboa, continuando depois no Conservatório Nacional, onde viria a concluir os estudos de guitarra clássica. Paralelamente iniciou o estudo da guitarra flamenca. Em 2008 recebeu o Prémio Carlos Paredes com o seu álbum “À Espera de Armandinho”. Compõe regularmente para teatro e cinema.

Jorge Cunha Machado, natural de Oeiras, iniciou os seus estudos musicais com o piano em 1997. Dois anos mais tarde integrou o curso profissional de Ofícios do Espectáculo na EPAOE – Chapitô, onde teve formação em sonoplastia com Paulo Curado e Nuno Gelpi. Desde cedo que está ligado a várias expressões artísticas como a música, o teatro e as artes plásticas. Desenvolveu trabalho no campo da percussão, sonoplastia, cenografia, escultura, desenho e vídeo-art. Como autodidacta aprofunda o seu estudo em sonoplastia e percussão, desenvolvendo o seu percurso musical na exploração do som de diferentes culturas.

Sérgio Figueira, natural de Cabo Verde, Compositor e Guitarrista. Licenciado em guitarra clássica na Escola Superior de Música de Lisboa na classe do professor António Gonçalves. Foi durante o seu percurso académico que começou a desenvolver aquilo que viria a ser o seu desígnio principal, trabalhar a Música Popular Cabo Verdiana, fundindo-a com outros elementos musicais que foi assimilando (Jazz, Étnica, Erudita). Desde então, compõe a sua própria música baseada nesse conceito. É um dos mentores do projeto Fogo di Mar cujo objetivo é a divulgação da obra do músico e compositor Luís Rendall. Mais recentemente, gravou um trabalho dentro da estética da guitarra clássica (Suite crioula), em que interpreta temas de autores populares e de sua autoria.

Hugo Tristão, natural de Lisboa com raízes familiares na Beira Baixa, desde cedo teve contacto com o Adufe, instrumento de percussão de origem Árabe e tradicional desta zona. Viajou por vários países da cintura Mediterrânica como Espanha, Marrocos, Tunísia, Turquia e Egipto onde aprendeu com Músicos e Mestres destes países as técnicas fundamentais do Doff, Bendir, Tar, Daire, Cajon e Reqq.

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar